728x90 AdSpace

Recentes

Marité e Tximagu Ikpeng tiveram de abandonar a aldeia, no Xingu, para salvar os trigêmeos




Os sobreviventes

Marité e Tximagu Ikpeng tiveram de abandonar a aldeia, no Xingu, para salvar os trigêmeos.




No documentário Quebrando o silêncio, Marité relata como é o in­­fanticídio entre seu povo. “Nasceu, já faz o buraco, já fica tudo preparado. Quando nasce, enterram a criança. Enterram vi­­vo ou quebram no meio”, descreve. “A gente não queria perder os bebês. A gente ama as crianças”, diz. Por isso fugiram. “Se eu tinha de seguir as regras da cultura, não era bom para mim. Então falei: ‘vou quebrar essa regra e tenho que seguir outro caminho’”. Ago­­ra, sonha cursar Medi­cina pa­­ra ajudar a aldeia, inclusive a mudar o pensamento.

O cacique Tabata Kuikuro também abandonou a aldeia pa­­ra criar gêmeos. “Como posso deixar meu filho? Alguém vai fa­­zer mal para ele, matando ele”, diz. “Eles são meus filhos, não são bichos”. Nem sempre o socorro chega a tempo. Marcos Mayo­ru­­na sobreviveu, mas o irmão foi queimado vivo aos 10 anos de ida­­de. “Nós éramos gêmeos, e o ca­­cique José interpretou errado. Mas meu próprio povo me condenou à morte”, diz. “Todos os indígenas que matam gêmeos ou deficientes sofrem depois que analisam por que mataram”. Adotado por um sargento do Exército, Marcos está há oito anos no Rio de Janeiro e faz faculdade de Enfermagem.

O infanticídio é particularmente doloroso para as mulheres. Lúcia Bakairi salvou o irmão do infanticídio ao enfrentar a mãe. “Minha mãe lutou para matá-lo. Ela saiu, foi embora para o mato. De lá ela veio para falar assim: ‘Ô criança, vai lá no mato, vai enterrar aquela criança’”, relata. Até mesmo quem não tem grau de parentesco se sensibiliza com os condenados. “Essa aqui é minha criação”, diz Kaiana Waurá, mostrando no colo a filha adotiva. “A mãe queria enterrá-la. A tia dela a levou para a casa da avó. Aí ficou cinco dias sem tomar leite. Aí, eu falei pro meu marido que vou criar ela”, conta. (MK)

Documentário criou polêmica internacional

Há um ano e meio uma ONG brasileira e uma organização evangélica norte-americana causaram uma discussão internacional ao produzir um misto de documentário e drama para uma campanha contra o infanticídio nas tribos da Amazônia. O vídeo enfureceu a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Associação Brasileira de Antropologia (ABA) ao retratar a história de Hakani, menina da etnia Suruwaha, uma das tribos às margens do Rio Purus que ainda praticam o ritual.

Lideranças indígenas pedem ajuda

Várias lideranças indígenas fazem ecoar pedidos de socorro ao longo de Quebrando o Silêncio. “A criança é o futuro dos indígenas. Devemos investir na vida deles. Devemos dar o direito à vida. Que ela viva, cresça e se torne um indígena que ame sua cultura e que saiba como trabalhar dentro da sua cultura e dentro do Brasil”, diz Eli Ticuna, vice-presidente do Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos. “É necessário que alguém corajoso se levante, para interferir nessas práticas culturais que são prejudiciais para a pessoa humana”, argumenta.

“Nós temos índios que recebem muita influência dos antropólogos, e acham que os costumes são intocáveis”, diz Álvaro Tucano, líder tucano no Amazonas. “O que é errado nós temos de corrigir. Nós temos de ter a capacidade de melhorar o nosso comportamento. E não continuar achando que aquele pajé está certo quando ele vai dar veneno só porque ele está fazendo bem para a sobrevivência do costume. Não. Ele está errado”, enfatiza. “Acho que a gente tem de saber modificar o nosso povo, consertando os erros internos.”

“A cultura é dinâmica. A cada momento muda a cultura, de geração em geração. Isso o antropólogo tem de entender, que a gente não perdeu a língua”, diz Marcos Mayoruna. “A gente não tem nada contra o antropólogo, só que ele interpreta errado. Alguns atrapalham, por exemplo, indigenista, Funai. Quero que a Funai entenda que tem de haver a mudança”, completa. (MK)


  • Blogger Comentários
  • Facebook Comentários

0 comentários :

Item Reviewed: Marité e Tximagu Ikpeng tiveram de abandonar a aldeia, no Xingu, para salvar os trigêmeos Rating: 5 Reviewed By: Pr. Antonio Romero Filho