728x90 AdSpace

Recentes

Mandarim (idioma chinês): uma armadilha para missionários


 

- Por favor, onde fica a Lan House?

Indagação inocente, não é? Mas saiba que se você perguntar isso a um chinês, pode soar como ofensa!

Não, o problema não é querer saber onde fica um acesso à internet. A arapuca está na pronúncia do mandarim. Para um ocidental, a diferença entre falar "Lan House" e um palavrão daqueles é imperceptível para os ouvidos.

Para um chinês, qualquer leve diferença de tom transforma uma frase ingênua em palavra chula.

É a maior armadilha para um brasileiro que está aprendendo a falar mandarim. É também um dos fatores que fazem o aluno desistir de estudar o idioma.

"Ah, nunca vou aprender a falar esse negócio direito!", pensam alguns. Talvez tenham razão. Mas as nuances de tom também são o que fazem a língua oficial da China ficar mais interessante.

A palavra em questão é "Wan Ba" . 'Wan' significa rede. 'Ba' se apropria do som do vocábulo "bar", em inglês. Ou seja, 'Bar de Rede' nada mais é do que uma lan house.

Mas o inocente "wan ba" pode soar como um palavrão, que faz alusão ao órgão sexual masculino.

Há outras ciladas para ocidentais que se metem a besta e tentam arranhar o mandarim: - Uma informação, por favor! ("Qin wen" ) soa igualzinho à palavra 'beijo'.

Ou seja, você pede uma informação e ganha um beijo. Ou um tapa!

E daí por diante. Tente ir a um restaurante e pedir "mi fan". Se acha que está pedindo arroz branco, a probabilidade de vir macarrão é imensa. A pronúncia dos dois é quase igual.

Na teoria é fácil:

Mi fàn - "arroz" - som aberto, agudo e curto.

Mi fen - "macarrão" - som fechado, mais longo e nasal.
Mas vá tentar acertar isso na prática!

(O inverso também acontece. Um amigo chinês que aprendeu a falar português não consegue diferenciar o som das palavras "patrão" e "padrão".)

A palavra "Cao" (se pronuncia 'tsao') é outro exemplo. Dependendo de como se fala, pode ter quatro significados: Exercício, grama, máquina ou... o modo mais grosseiro de se referir ao ato sexual!

(Abro parêntesis e me pergunto: - Por que será que, quase sempre, uma das possibilidades de pronúncia é exatamente a que pode te colocar em apuros?).

Organizar frases é mais um obstáculo.

A sentença "ele é um dos alunos que compraram aquele livro ontem" é estruturada assim em chinês:

"Ele é ontem comprou aquele livro alunos um deles (só um)"

Mas calma. Sejamos justos. Falar mandarim não é apenas um convite ao constrangimento. Há muitos pontos positivos em se aventurar no idioma por terras asiáticas.

O povo chinês recebe a tentativa com muita boa vontade e compreensão. No fundo, sabem que falam uma língua complexa e subestimam a capacidade de outros povos de aprendê-la. Se sentem prestigiados e honrados com um estrangeiro exibindo um chinês macarrônico.

Podemos não acertar as pronúncias, mas conseguimos nos fazer entender pelo contexto.

Os ideogramas, estes sim, parecem uma barreira linguística intransponível. Há mais de 4 mil símbolos de uso corrente, cada um significa uma palavra.

Caminhando por Pequim, sofri com a angústia que um analfabeto deve sentir ao olhar para placas e outdoors no Rio. Não conseguia dizer se determinada loja era um açougue, uma loja de sapatos ou uma lavanderia. Tirei algumas fotos para servir de exemplo. Uma delas, a de um cardápio de uma famosa pizzaria multi-nacional.

Há quem pense que os ideogramas estão em decadência. Com a globalização, a tendência é mesmo simplificar para compreender.

Por que usar 4 mil símbolos se podemos, no ocidente, dizer tudo com apenas 24 letras?

Seria mais um duro golpe na tradição chinesa. Golpes que os chineses parecem estar aceitando sem resistir, a cada vez que uma loja de fast-food americana toma o lugar de uma casinha de arquitetura típica oriental.

Que o mandarim permaneça como um dos fatores de identidade nacional. Este mandarim tão complexo e tão cheio de armadilhas. E tão cem por cento chinês.

*André Boaventura é jornalista, faz curso de mandarim há 4 anos e esteve duas vezes na China em 2008. É autor do blog De vez em quando .
  • Blogger Comentários
  • Facebook Comentários

0 comentários :

Item Reviewed: Mandarim (idioma chinês): uma armadilha para missionários Rating: 5 Reviewed By: Pr. Antonio Romero Filho